RESUMO – Helpman (Understanding Global Trade) e ABDI (Integração Produtiva: MERCOSUL)

Helpman – Understanding Global Trade

ABDI – Integração Produtiva: Caminhos para o Mercosul

O capítulo 6 (“Offshoring and Outsourcing”) do livro Understanding Global Trade do Helpman é um capítulo teórico que introduz alguns conceitos relevantes para o estudo do comércio internacional na atualidade.

Offshoring é a transferência de parte da cadeia produtiva da firma para outro país, normalmente em busca de redução de custos, ou de matéria-prima ou de trabalho. Outsourcing é a transferência de parte do processo produtivo para outra firma, sendo uma decisão de produzir internamente ou buscar no mercado ou através de contratos. É a terceirização.

Depois ele caracteriza o investimento direto estrangeiro (FDI) em duas categorias, horizontal (quando a firma investe comprando ou abrindo uma filial no exterior que é da mesma etapa de produção que a matriz) ou vertical (quando a matriz investe em uma filial no exterior que vai supri-la com algum insumo ou matéria-prima, ou mesmo de alguma etapa posterior da cadeia, como revendedor).

Integração Complexa (complex integration) é o modo de produção adotado pelas firmas multinacionais atualmente, que envolve a mistura em variados graus dos conceitos acima. A principal característica do momento atual é a fragmentação do processo produtivo, o que permite que as diversas etapas da produção sejam realizadas em locais distintos, de acordo com a necessidade da firma. O que vai definir o que é produzido em que lugar são os custos correntes, a produtividade da matriz, o tamanho do investimento inicial necessário, a facilidade de transporte e troca internacional e principalmente tamanho do mercado. Os custos estão ligados à questão de produtividade, a produção ocorrerá onde for mais barato produzir mais. O aumento dos custos de transporte gera redes de produção mais complexas, dependendo da complementariedade da produção no mesmo local de intermediários e produtos finais. Matrizes menos produtivas vão realizar offshoring mais facilmente pois obtém ganhos maiores de produtividade.

Deste modo podem ser criadas redes complexas de integração produtiva entre os países, subordinadas à lógica de facilidade de produção da firma. É possível, portanto, uma situação onde seja perfeitamente racional uma empresa de um país A que compra insumos de uma terceira empresa no país B para abastecer a fábrica de sua subordinada no país C que consome parte do produto acabado e exporta o restante de volta ao país A, que só é responsável pela parte de design de produto.

O livro “Integração Produtiva: Caminhos para o MERCOSUL” da ABDI, no seu capítulo 3 também busca uma teorização, na mesma linha do texto abordado anteriormente, reconhecendo como característica marcante da atual fase a empresa multinacional como agente produtivo, integrando de modo complexo sua rede integrada de filiais, fornecedores e clientes, baseado na fragmentação espacial da produção.

No livro da ABDI o autor foca mais na teoria de decisão da firma, citando as teorias do custo de transação de Williamson (1985), teoria dos contratos incompletos e explicações evolucionárias. O autor tenta caracterizar estas formas contemporâneas de integração como casos intermediários entre a produção no interior da firma e a dependência no mercado, os dois extremos da teoria dos custos de transação.

Após esta introdução teórica o autor fala do caso de integração europeia e considera as dificuldades que o MERCOSUL enfrenta.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s