Economia e Sociedade de dezembro de 2011

Separei três artigos aqui da “Economia e Sociedade” de dez11 (saiu na internet agora). A revista é da UNICAMP.

Os dois primeiros seguem uma abordagem heterodoxa tradicional (no Brasil pelo menos) para explicar a crise atual e o ambiente em que ela se forma.

O último mostra uma posição muito interessante do Marshall, a favor do capitalismo, porém mostrando espaços de atuação social e questionando o comportamento dos indivíduos. Farei um comentário mais detalhado deste em outro post.

Crédito, capital fictício, fragilidade financeira e crises: discussões teóricas, origens e formas de enfrentamento da crise atual

RESUMO

O artigo discute a crise atual, comparando concepções marxista e pós-keynesiana. A primeira seção examina as razões teóricas para a inerência das crises no capitalismo conforme as duas visões. A segunda mostra como e por que o neoliberalismo agravou a crise, ainda que inerente ao capitalismo. A terceira examina criticamente os limites das políticas atuais de enfrentamento da crise.

Palavras-chave: Crise financeira; Capital fictício; Marxismo; Pós-keynesianismo.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-06182011000300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Liberalização, vulnerabilidade financeira e instabilidade: algumas considerações sobre a economia brasileira

RESUMO

O artigo analisa a economia brasileira e sua vulnerabilidade externa (no período recente) a partir do referencial teórico de Minsky (1982, 1982b e 1986).Observa-se a tendência recorrente de ampliação da vulnerabilidade e o movimento cíclico dessa tendência não associada a regimes cambiais específicos, mas ampliada pela falta de controles cambiais. Nota-se, também, que o aprofundamento da vulnerabilidade externa da economia brasileira deve-se, sobretudo, ao comportamento da conta financeira, que compensou, com sobras, os resultados positivos obtidos pela balança comercial. Tais elementos conduzem a observação de uma tendência à ampliação da instabilidade nas esferas financeira e real dessa economia.

Palavras-chave: Liberalização; Vulnerabilidade externa; Fluxo de capitais.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-06182011000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Alfred Marshall, o capitalismo e sua utopia social

RESUMO

Este artigo visa analisar a posição de Marshall em relação ao capitalismo de sua época e às possibilidades de mudança social. Argumenta-se que, apesar de ser um grande defensor do sistema de liberdade econômica, Marshall considerava fundamental sanar o problema da pobreza e da indigência que assolava e degradava física, moral e intelectualmente boa parte da população. Todavia, ao contrário dos socialistas e coletivistas que visavam extinguir as principais instituições vigentes (a concorrência, a propriedade privada, o trabalho assalariado, entre outras), o autor vislumbrava uma sociedade melhor ainda sob a égide dessas instituições capitalistas. Essa situação melhor poderia ser atingida por meio da intervenção do Estado e de mudanças importantes nos valores dos indivíduos – que envolveriam a adoção de uma postura mais nobre e cavalheiresca no seu agir econômico.

Palavras-chave: Alfred Marshall; Capitalismo; Pobreza; Socialismo; Mudança social.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-06182011000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s