Book from the WEA- The Economics Curriculum: towards a radical transformation

Gabriel Rega:

Para os que se interessam pela parte de educação e de reforma curricular.

Publicado originalmente em WEA Pedagogy Blog:

curriculum

This  book from the World Economics Association (WEA) – edited by me and Jack Reardon and supported throughout by Grazia Ietto-Gillies – originated with a successful WEA online conference. The volume has been conceived with current and future economics students in mind: they will be the economists of the future.

One of the main ideas underlining the book is that “being an economist” in the XXI century requires a radical change in the training of economists and such change requires a global effort. A new economics curriculum is needed in order to improve the understanding of the deep interactions between economics and the political forces and the historical processes of social change. The need for trans-disciplinary and interdisciplinary work is highlighted.

None of us can change economics education on our own. It is within the spirit of global effort at fundamental change in economics education that this book directly contributes…

Ver original 292 mais palavras

Herbert Simon, Daniel Kahneman e Amos Tversky

Fica a dica de leitura.

Herbert Simon apresenta uma vasta produção acadêmica na qual propôs uma teoria da decisão econômica em torno do conceito de racionalidade limitada. O reconhecimento do meio complexo e dos limites cognitivos levaram-no a sustentar o frequente uso de heurísticas pelo ser humano. Novas abordagens têm sido desenvolvidas ao redor dessa ideia. Mais recentemente, Daniel Kahneman e Amos Tversky analizaram a relação entre heurísticas e vieses de comportamento e esta proposta tem ganhado espaço no mundo acadêmico. Este texto discute as contribuições de Simon, Kahneman e Tversky, e propõe a existência de complementaridade entre as mesmas, promissora para o desenvolvimento de uma teoria da decisão do agente econômico.

via Estudos Econômicos (São Paulo) – Heurísticas no estudo das decisões econômicas: contribuições de Herbert Simon, Daniel Kahneman e Amos Tversky.

De novo, ABM

Pequeno resumo nesse debate do que é ABM, o que dá pra fazer, se não é a mesma coisa de antes (não é)…

For those of you just tuning in, I’ll attempt to sort out this clüsterfüken shortly. For now it’s important to know that the heart of this debate is over what an ABM is or isn’t, and what economic researchers can or can’t do with them. And here everyone gets it slightly wrong. But everyone also gets it mostly right. After a few minor corrections, I believe all differences will be reconciled. However, in order to understand these minor differences we have to be able to see things through the lens of a programmer — the person who actually understands and decides how an ABM functions. After all: no software, no ABM.

via Introduction to Agent-Based Models with respect to the Future of Macroeconomics | Zachary David’s.

De novo, revistas abertas

Interessante projeto de apoio a abertura de revistas. Que mais responsáveis se interessem e sigam este caminho.

O Projeto “Revistas Abiertas” é uma plataforma de informação sobre as políticas e práticas editoriais mais recomendadas para publicações acadêmicas que atendam aos padrões de Acesso Aberto (Open Access em inglês) na América Latina. É um projeto da ONG de Derechos Digitales (Chile) apoiados pela Fundação Karisma (Colômbia).

via Guia de Boas Práticas para Revistas Acadêmicas de Acesso Aberto | Ciência Aberta.

Pressão de publicação

Do blog so Scielo:

os autores estão usando seu potencial de autoria de forma mais sábia, tornando-se mais colaborativos de forma que seu trabalho, que está induzindo aparente inflação da produtividade de cada autor, bem como da autoria. Em vez disso, a razão subjacente do aumento do volume de artigos publicados é simplesmente a introdução de novos autores / autores no mercado.

Outro ponto relevante talvez seja a forma de organização dos pesquisadores, cada vez mais ligados através de grupos de pesquisa, contribuindo para o aumento do número de autores por artigo.

via Publicar ou perecer? O crescimento do autor fracionado… – Publicado originalmente na newsletter Elsevier “Research Trends Issue 38″ | SciELO em Perspectiva.

RWER 69

A Real world econmomics review deste mês vem em edição especial Piketty. Recomendo:

Unpacking the first fundamental law

James K. Galbraith

via real-world economics review.

Bibliografia pós-keynesiana

O blog Social Democracy for the 21st Century compilou uma lista de livros introdutórios e intermediários sobre o assunto. Um eu já li, o John Maynard Keynes do Paul Davidson e recomendo. Me ajudou bastante nos últimos momentos de estudo para a prova do doutorado. Apesar de estar na lista de avançados não é um livro difícil, só pede algum conhecimento prévio. O Return of The Master do Skidelsky eu cheguei a comprar no Kindle um tempo atrás, porém achei que seria mais histórico e deixei pro fim da fila. Com essa recomendação ele volta pro topo.

Post Keynesian Economics: A Bibliography of Recent Introductory and Advanced Books

Of course, books on Post Keynesian economics appear every year, but over the past 8 years or so – especially after the financial crisis of 2008 – there seems to have been an embarrassment of riches in that many very good introductory and advanced books have appeared.

I provide a sample below:

Introductory Studies

Skidelsky, R. J. A. 2010. Keynes: The Return of the Master (rev. and updated edn.). Penguin, London.

(…)

Advanced and Specialist Literature

(…)

Davidson, Paul. 2009. John Maynard Keynes (rev. edn.). Palgrave Macmillan, Basingstoke.

via Social Democracy for the 21st Century: A Post Keynesian Perspective: Post Keynesian Economics: A Bibliography of Recent Introductory and Advanced Books.